Home / Artigos / Por que a psicologia oficial não reconhece a reencarnação?
A IDEIA DE REENCARNAÇÃO PARA APERFEIÇOAMENTO DO SER ESTÁ PRESENTE EM DIVERSAS FILOSOFIAS ANCESTRAIS E FOI CULTIVADA NO ORIENTE PELOS SAGRADOS TEXTOS HINDUS, OS VEDAS, REUNIDOS NOS SÉCULOS 12 A 5 ANTES DE CRISTO

Por que a psicologia oficial não reconhece a reencarnação?

A IDEIA DE REENCARNAÇÃO PARA APERFEIÇOAMENTO DO SER ESTÁ PRESENTE EM DIVERSAS FILOSOFIAS ANCESTRAIS E FOI CULTIVADA NO ORIENTE PELOS SAGRADOS TEXTOS HINDUS, OS VEDAS, REUNIDOS NOS SÉCULOS 12 A 5 ANTES DE CRISTO
A IDEIA DE REENCARNAÇÃO PARA APERFEIÇOAMENTO DO SER ESTÁ PRESENTE EM DIVERSAS FILOSOFIAS ANCESTRAIS E FOI CULTIVADA NO ORIENTE PELOS SAGRADOS TEXTOS HINDUS, OS VEDAS, REUNIDOS NOS SÉCULOS 12 A 5 ANTES DE CRISTO

A ideia de reencarnação para aperfeiçoamento do ser está presente em diversas filosofias ancestrais e foi cultivada no Oriente pelos sagrados textos hindus, os Vedas, reunidos nos séculos 12 a 5 antes de Cristo. Se há tanto tempo este conceito tem orientado a nossa evolução, e até mesmo o Evangelho traz a mensagem de que “ninguém poderá ver o Reino de Deus se não nascer de novo”, como explicar o fato de ter sido banido da cultura ocidental e das correntes de pensamento que trabalham com o estudo da psique humana?

 
O fato é que a inexistência da reencarnação foi decretada pelo Concílio de Constantinopla em 553 d.C, e desde então a Igreja Católica tornou-se uma igreja não reencarnacionista e, assim como suas dissidências, tratou de disseminar este dogma pelo Ocidente. Interessante analisar de onde provém o interesse em suprimir as passagens bíblicas que abordavam o renascimento da alma.
 
O Concílio de Constantinopla foi conclamado pelo Imperador Justiniano, influenciado por sua esposa Theodora, ex-cortesã que, para se libertar do passado, mandou matar 500 antigas colegas. Para não sofrer as consequências desta ordem cruel em outra vida, como preconiza a Lei do Karma, de ação e reação, empenhou-se em extinguir a doutrina da reencarnação, perseguindo aqueles que a divulgavam.
 
Dos 165 bispos presentes, 159 eram da Igreja oriental não reencarnacionista, o que garantiu a Justiniano os votos que precisava para decretar que a reencarnação não existe. O Concílio excomungou a fé na pré-existência da alma, sob protestos do Papa Virgílio, que teria sido sequestrado e mantido prisioneiro pelo Império Bizantino durante 8 anos, por ter se recusado a participar do encontro.
 
Após o evento, ao longo dos séculos, formou-se no consciente coletivo ocidental a ideia de que a reencarnação não existe, e foi nesse contexto nasceram a Psicologia e a Psiquiatria tradicionais. Apesar disso dois terços da população acredita na reencarnação, que só voltou a ser aceita nos domínios cristãos pelo espiritismo, cofidicado pelo pesquisador Allan Kardec no século 19.
 
A Psicoterapia Reencarnacionista surge como um aprofundamento do estudo do comportamento humano, que une a psicanálise de Sigmund Freud ao conceito de reencarnação. Através de sessões de Regressão Terapêutica e consultas de entendimento das experiências, é estimulado um maior aproveitamento da encarnação atual para evolução espiritual.

About Ricardo Faerman

Psicoterapeuta Biointegrativo